Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Santa ignorância

por RG, em 19.11.11

 O ser humano, distingue-se dos restantes animais, por ser racional. Não só, mas também.

 Como tal, o Homem, é dotado de opinião para tudo o que seja assunto. Acontece que, havendo neste momento sensivelmente 7 bilhões de alminhas, à superfície da Terra, qualquer assunto que venha à baila, pode ser encarado de diferentes perspectivas. Ou seja, um tema, um gosto, uma ideia, ou o que quer que seja, tem sempre os apoiantes, os discordantes, ou aqueles que se abstêm ou não ligam. 

 Entre as pessoas que defendam, ou ataquem determinada ideologia, só existe uma coisa que as une. Elas pensam sempre que têm razão.

 Para além disso, uma coisa que facilmente podemos constatar, é que praticamente toda a gente, tem uma facilidade muito maior em criticar (negativamente), do que elogiar. Seja o que for.

 

 Isto tudo porquê? 

 Bom, foi colocado a circular esta semana, um vídeo na net, da revista Sábado, com um vox pop sobre a suposta ignorância dos estudantes universitários.

 Nesse referido vídeo, podem-se ver vários jovens, a darem umas valentes calinadas, sobre aquilo que se considera cultura geral. Perguntas como, "Quem escreveu os Maias?", "Qual o actor que fez o Padrinho?", "Quem pintou o tecto da Capela Celestina?", etc., obtiveram várias respostas estapafúrdias.

 Ao ver o referido vídeo, a primeira reacção que tive, que deve ter sido a mesma de muita gente, foi de estupefacção, e de incredibilidade. Afinal de contas, parecia que, pela amostra, todos os universitários devem ser uns ignorantes e uns parvinhos.

 Claro que por toda a net, e não só, choveram criticas sobre esta calamidade. O pessoal jovem, não sabe de cultura geral. Portanto, não bastava ao nosso País, já ter um futuro negro, devido à crise económica, como ainda por cima, vai ser entregue a pessoas que não sabem "Quem pintou a Mona Lisa", ou "Quem é o presidente dos EUA". Está o caldo entornado. Inclusive, li um comentário muito preocupado, que dizia qualquer coisa como: "Riam-se, mas daqui a uns anos, vão ver o que vai ser a desgraça de médicos e engenheiros."

 

 Bom, depois do referido choque inicial, comecei a matutar mais sobre a coisa. 

 A ignorância existe? Sim, e muita. Serão só os jovens universitários que padecem deste mal? Não. Não só existem brilhantes alunos, como ignorância, é um mal que assiste a pessoas das mais diferentes idades, profissões, e que é independente do sexo.

 Caramba, vendo bem a reportagem, somos bastante induzidos a acreditar que os universitários são uns valentes "cromos". Afinal de contas, de 10 perguntas efectuadas, só mostram praticamente, as respostas erradas. E já agora, quantos pessoas foram entrevistadas? E se a reportagem em vez de ter sido feita à porta das universidades, fosse à frente dos bancos, ou do parlamento? Será que as respostas seriam tão diferentes assim?

 Como acontece nas mais variadas situações, gostamos logo de criticar. É fácil. Tal como criar rótulos. Sinceramente, considero-me um pessoa com um mínimo de cultura geral. Das perguntas colocadas, sabia as respostas de todas, embora com dúvidas numa ou outra. Ora, se fosse apanhado de surpresa na rua, e fosse metralhado com 10 perguntas de rajada, e ainda por cima a ser filmado, não podia garantir que iria acertar em tudo. Que não ia ter uma branca, ou que não estivesse sujeito a dizer uma gafe. Então porque hei-de criticar aqueles jovens? Ok, alguns parecem um bocado et's, mediante as respostas de outro mundo que dão, mas...são humanos. Nitidamente, a reportagem pareceu ter mais como objectivo, procurar os "cromos ignorantes", do que mostrar realmente o grau de cultura dos estudantes. Um pouco à semelhança do que acontece na televisão. O que dá mais graças mostrar nos programas/concursos, são as cromices e gafes dos participantes, e depois, em segundo plano, os talentos.

 Estar sentado em casa descansado, a ver Tv, ou Pc, e criticar quem passa por isto, é fácil.

 Somos todos muito cultos, e inteligentes, até sofrermos uma rasteira intelectual quando menos esperamos.

 

 A cultura geral a meu ver, é uma mais valia. Quem se interessa por saber mais, para além do que aprende regulamente na escola, ganha com isso. Mas o que pode ser cultura geral para mim, pode não ser para o meu vizinho. Até pode variar, consoante as regiões, ou gerações. 

 Não vou dizer, que não achei um pouco triste que aqueles "miúdos" em concreto, dessem valentes calinadas e que aparentassem uma postura alienada da realidade. Mas, se eles não sabem certas coisas, quem sou eu para criticar? Provavelmente, serei um inculto ao pé de outras pessoas.

 E em relação ao futuro deste País, estar entregue a estes "ignorantes"...bem, se eu estiver a ser operado, vou-me chatear, ou até mesmo recusar ser operado, se o médico-cirurgião não souber "Quem é o Manoel de Oliveira?" Eu quero é que ele saiba operar...

 

 RG

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:05



Onde o concreto e o abstracto se encontram.

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930



Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D