Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Acabou-se a mama

por RG, em 14.01.12

 Não, infelizmente não é no sentido figurado, referente a determinadas altas patentes que gerem o destino de certas empresas, e inclusive do próprio País. Trata-se sim, no sentido literal, o fim da PIP (não confundir com o PIB, embora esse também vá pelo mesmo caminho).

 A PIP, Poly Implantes Prothèses, é uma empresa francesa, de próteses mamárias que, segundo notícias recentes, podem ser cancerígenas em caso de rompimento.

 O alerta para esta situação, fez com que fosse sugerido às mulheres que recorreram ao implante de silicone desta marca, que procurassem aconselhamento médico, e, em último caso, removessem em definitivo os respectivos implantes. A PIP, já entrou em falência, mas o mal já está feito, e agora, milhares(!!) de mulheres podem ter a vida em risco.

 

 Do ponto de vista masculino, só posso imaginar que o implante de silicone por parte das mulheres, não seja uma decisão muito fácil. Quer dizer, há quem as peça como prenda de anos. Mas para já, custa uma pipa de massa, e depois, existem sempre alguns riscos de saúde. Será que vale a pena?

 Bom, acho que varia consoante a pessoa. Colocar implantes é, à partida, um acto de vaidade. Mas posso considerar dois tipos de "vaidade". Existem mulheres que realmente têm um tamanho de mamas (mamas é o termo correcto para este caso, e não peito) muito reduzido, ou quase nada, seja pela sua fisionomia natural, ou por terem tido necessidade de removerem por motivos de saúde. Aí, compreende-se bem mais, a necessidade de realçarem a sua feminilidade, pois quer se queira ou não, a aparência física conta na sociedade. No entanto, existem outros casos, em que até nem são nada pequenas as "mamocas", mas as mulheres sentem que precisam de mais, para se destacarem.

 Para as mulheres, ter o tamanho certo de mamas, é sentirem-se mais atraentes, independentemente da roupa que tenham, ou não, vestida. A questão é, até que ponto as mamas podem ser consideradas demasiado pequenas, com o tamanho certo, ou demasiado grandes? Pode haver uma ideia generalizada, mas sinceramente, acho que depende sempre do critério e gosto de cada pessoa. Até porque as pessoas são diferentes. Existem mulheres mais altas, outras mais baixas, mais fortes ou elegantes, e o que pode "assentar" bem numa, pode ficar mal noutra. 

 Os homens apreciam, e as mulheres sentem-se mais seguras, mas convém ter em conta os prós e contras que uma operação deste género acarreta. Fica à consciência de cada uma.

 

 De qualquer forma, acho que seria desagradável para um casal, que acontecesse por exemplo, algo que acontecia nas brincadeiras de miúdos. Estar no coito, e ouvir-se: "Epá arrebenta a bolha"!

 

RG


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:25



Onde o concreto e o abstracto se encontram.

Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031



Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2007
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2006
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2005
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D